quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

Comportamento Alimentar: Faça as pazes com a comida

Em novembro colaborei com matéria na Revista Donna ZH sobre comportamento alimentar, adorei fazer parte!
Segue o link para matéria

http://revistadonna.clicrbs.com.br/saude/faca-as-pazes-com-seu-prato-saiba-identificar-se-sua-relacao-com-comida-esta-fora-do-normal/





quinta-feira, 3 de agosto de 2017

O que você está pensando? Pensamentos não são fatos!


A nossa maneira de perceber o mundo e interpretar as situações interferem em nossas emoções e comportamentos. O problema é que muitas vezes as pessoas podem fazer interpretações distorcidas ou equivocadas a respeito de uma situação. Então, é importante dar-se conta do que está passando pela sua cabeça, pode ser que a emoção desagradável que esteja sentindo tenha haver com alguma interpretação equivocada de um fato? Muitas vezes, identificamos o que chamamos distorções cognitivas ou erros de processamento da informação. Ou seja, muitas vezes uma situação é interpretada ou avaliada de maneira disfuncional/distorcida. E, tais pensamentos ou crenças podem gerar emoções desagradáveis e prejuízos psicológicos.


O que você está pensando?
 Que evidências você tem para confirmar esse pensamento ou crença? 
Que emoções esses pensamentos ou crenças despertam em você? 

Fonte imagem: Pinterest
#psicoterapiacognitivocomportamental

Nenhum texto alternativo automático disponível.

quarta-feira, 19 de julho de 2017

O QUE É COMPULSÃO ALIMENTAR?

Pergunta que geralmente aparece no consultório e trago uma explicação breve. Podemos entender a compulsão como episódios repetidos de ingestão de grande quantidade de alimentos. Essas quantidades muito superiores ao habitual daquele indivíduo, em circunstâncias semelhantes. E acompanhadas da sensação de perda de controle. 
Para diagnóstico é preciso a avaliação de um profissional de saúde mental ou nutricionista. 
Fonte imagem: Pinterest 


segunda-feira, 19 de junho de 2017

Comportamento Alimentar & Psicologia : novos canais de conteúdo, informação e comunicação


Boa tarde.

A partir de agora passo a divulgar, também, meu trabalho com comportamento alimentar e psicoterapia cognitivo comportamental através do Instagram e Facebook. O objetivo é compartilhar conteúdos e informações relevantes sobre essas temáticas e sobre meu trabalho.

Na imagem estão os endereços das páginas.

Espero que gostem!
Abraços



quarta-feira, 10 de maio de 2017

Comportamento Alimentar: algumas considerações

O comportamento alimentar é influenciado por aspectos psicológicos e sociais, não somente por aspectos fisiológicos da alimentação . A relação do indivíduo com a alimentação, as emoções, os pensamentos e as crenças sobre a alimentação são variáveis importantes a serem consideradas.

Muitas pessoas, e não somente àquelas com diagnóstico de transtornos alimentares,  enfrentam problemas e/ou dificuldades na sua relação com a alimentação. Em muitos casos, tais problemas geram prejuízo significativos para o indivíduo. Esse sistema complexo de relações, que envolve o comportamento alimentar, deve ser considerado nas intervenções relacionadas à alimentação.

terça-feira, 2 de maio de 2017

Você tem fome de quê? Sobre "comer emocional"

É saudável obter satisfação e prazer através da comida, sim! No entanto, é importante a aprendizagem em relação aos sinais de fome e saciedade; o que envolve autoconhecimento.

Além disso, saber como responder ao chamado "comer emocional". Identificar se e quando essa forma de comportamento é fonte de prejuízos. Se comer em resposta a emoções (agradáveis ou desagradáveis) estiver repercutindo em prejuízos e/ou problemas para o indivíduo, então, é indicado encontrar alternativas para lidar com o gerenciamento das emoções.



quinta-feira, 20 de abril de 2017

Comer Emocional & Gerenciamento de Emoções


Neste post vou comentar o chamado "comer emocional". Ou seja, quando o comportamento alimentar ocorre não por fome fisiológica ou vontade de comer, MAS sim como uma maneira "disfuncional" de reagir a estados emocionais desagradáveis (ansiedade, tristeza, angústia, raiva, etc.). Para intervir nesse comportamento é importante aprender a identificar as emoções, estar consciente dos estados emocionais. Todas as emoções são importantes, mesmo as desagradáveis têm uma função. A questão não é tentar ignorar o estado emocional, mas sim reconhecer as emoções. Além desse autoconhecimento é importante desenvolver formas mais funcionais de reagir ou enfrentar um estado emocional desagradável ou situação adversa. 

Algumas formas alternativas de reagir a essas emoções são: reavaliação da situação, conversar com alguém, resolver possíveis conflitos, tentar "sair" da situação por alguns minutos, prática de exercícios físicos, técnicas de respiração.

 O aprendizado de novas possibilidades no gerenciamento das emoções é importante no enfrentamento ao "comer emocional" bem como para a mudança de comportamento alimentar.